Na Entrevista E No Currículo: Como Contar A Sua Experiência Internacional?

Postado por Admincursos | 26 de março de 2017 | Deixe aqui seru comentário

Na Entrevista E No Currículo: Como Contar A Sua Experiência Internacional?

Experiências internacionais despertam a atenção do RH, desde que você não seja inadequado na hora de realizar a entrevista

Embora viajar, estudar e trabalhar no exterior sejam oportunidades cada vez mais comuns, as empresas mais do que nunca estão valorizando os profissionais que possuem esse tipo de vivência. Se você já passou por uma experiência como essa, não deixe de compartilhá-la com seu recrutador para aumentar as suas chances de ser empregado, mas com cuidado para não se queimar.

O favoritismo acontece porque funcionários que passaram um período fora do Brasil tendem a ser mais determinados, resilientes e criativos. As características estão relacionadas a algumas etapas comuns que os viajantes se deparam, como a dificuldade de juntar a quantia necessária de dinheiro, a adaptação a novos hábitos de uma cultura diferente e a disposição para driblar essas e outras barreiras que surgem durante a ocasião.

Além disso, experiência internacional quer dizer que você é pelo menos intermediário em um segundo ou terceiro idioma. O mais comum é o inglês, mas se você já viajou por um longo período para países em que essa não é a língua dominante, o recrutador vai ficar atento a esse conhecimento extra, principalmente se houver demanda na empresa.

Por essas razões, você precisa mostrar os valores decorrentes de suas viagens. Entretanto, há uma sutil diferença entre a exposição estratégica do assunto e a inconveniência. Na primeira, você fornecerá algumas informações sobre o período no estrangeiro que impulsionem o seu lado profissional, e na segunda, você insistirá no assunto mesmo se ele não agregar à sua atividade, o que fará o responsável pela contratação considerar você prepotente e arrogante.

Independentemente do tipo de sua experiência internacional, você poderá usá-la ao seu favor até mesmo antes da conversa com o RH. Saiba como conquistar um emprego assim que retornar ao Brasil se você já viveu as seguintes situações:

SE VOCÊ FEZ UMA VIAGEM…

Em hipótese alguma coloque em seu currículo que você fez determinada a viagem por lazer, ao menos que você esteja aplicando para a área de turismo ou que a descrição da vaga indique especificamente que isso é um diferencial de mercado. Por mais significativa que a oportunidade tenha sido para a sua vida profissional, prefira não acrescentar essa informação no papel, pois o recrutador pode antipatizar com o seu perfil antes mesmo de conhecê-lo pessoalmente.

Mesmo durante a entrevista, se você perceber que não há um gancho para abordar o assunto, não seja apelativo. Evite “eu já contei quando eu fui para Cancun e então…” e opte por usar as suas viagens apenas para responder perguntas como “o que você gosta de fazer no seu tempo livre?”. Cuidado para não falar demais: limite-se a contar sobre o seu destino, as atrações e os aprendizados, sem mencionar histórias sobre festas, companhias e imprevistos.

SE VOCÊ ESTUDOU…

Realizar algum tipo de curso no exterior é muito positivo para a sua carreira e, por esse motivo, a informação não deve ser omitida do seu currículo. No entanto, é importante que você insira exatamente o que estudou, o seu grau de conhecimento e um breve resumo sobre o aprendizado, pois as universidades estrangeiras, por exemplo, possuem tipos de graduações que não existem por aqui e que, se não forem esclarecidas, podem confundir a pessoa que terá acesso à sua aplicação. Se você realizou um curso de idiomas, seja mais breve, colocando apenas o nome da instituição, a localização e a duração.

Com esse tipo de dado no currículo, o responsável pela entrevista definitivamente vai explorar o assunto, pois a vivência com certeza terá sido o diferencial que mais despertou a atenção do recrutador. Quando for solicitado que você fale a respeito, o mais importante é ser coerente com as informações que estão no documento. Desenvolva o seu breve texto oralmente – não há problema em ser redundante – e destaque um ou dois assuntos que o recrutador ainda não saiba, mas que estejam relacionados ao rumo da conversa, para compartilhar na entrevista.

SE VOCÊ TRABALHOU…

Se você já teve essa oportunidade, com certeza você está sendo disputado por diversas empresas neste momento, desde que as informações sobre o nome da companhia, localização, tempo da sua atuação e resumo da sua rotina constem em seu currículo. Não é necessário especificar se foi convidado a trabalhar no exterior ou se batalhou por uma vaga; prefira guardar esse assunto para causar impacto na hora da entrevista, pois o RH vai estar muito interessado em tudo o que você tem a dizer.

Por ser um diferencial tão positivo, o seu entrevistador precisará entender a motivação que fez você abdicar do emprego e do país em que vivia. Se houver uma razão controversa, seja discreto e use eufemismos para explicar. Se a vontade de retornar ao Brasil tiver sido espontânea, deixe isso claro para comprovar o seu interesse na vaga e o seu comprometimento em ficar no país.

Você provavelmente terá algumas vantagens em relação a negociação salarial e ao cargo que está pleiteando, ainda mais se o recrutador acreditar que você é a pessoa certa para a vaga. Apesar de serem bons fatores de influência, não abuse das exigências para aceitar a oportunidade, pois isso fará o responsável pela sua contratação enxergá-lo como uma pessoa ambiciosa e aproveitadora. Use a sua persuasão para se tornar uma referência na carreira que escolheu, e não para conseguir benefícios pessoais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *