Fique atento aos sinais de distúrbio de aprendizagem

Postado por Admincursos | 13 de julho de 2017 | Deixe aqui seru comentário

Fique atento aos sinais de distúrbio de aprendizagem

Existem muitas formas de driblar esse tipo de transtorno, mas é preciso diferenciá-lo da simples dificuldade de aprendizagem

A dificuldade para acompanhar as lições escolares pode significar um distúrbio de aprendizagem. Esses empecilhos, se não forem identificados e devidamente tratados, poderão acarretar em problemas por toda a vida.

Cerca de 40% das crianças nas séries escolares inicias possuem alguma dificuldade de aprendizagem, mas apenas de 4% a 6% são diagnosticadas com distúrbios de origem neurobiológica ou genética. Por se tratar de uma falha de processamento do cérebro, não quer dizer que o portador tenha a capacidade intelectual comprometida, mas que ele vai aprender de uma forma diferente do que o colégio tradicional ensina.

Pais e professores são os primeiros a perceber sinais de que algo não vai bem, pois são os que passam mais tempo com as crianças e estudantes. Realizar um curso de distúrbios de aprendizagem também ajudará a reconhecer os sintomas e iniciar o tratamento o mais rápido possível, o que é essencial para que o portador não sofra com limitações e exclusão social.

Se você acredita que uma criança do seu convívio pode estar sofrendo com um transtorno de aprendizagem, conheça os sintomas dos mais frequentes, converse com os professores e os responsáveis e busque auxílio médico:

Dislexia

A dislexia está relacionada ao reconhecimento equivocado de palavras, provocado devido a falhas principalmente do lado esquerdo do cérebro e áreas responsáveis pelo processamento da linguagem, que são menos ativadas do que deveriam na hora de ler e escrever. Crianças em fase escolar que apresentam a doença têm dificuldade para adquirir as habilidades de leitura e escrita, e demoram para copiar um texto da lousa, redigir uma redação e concluir uma prova. Se for diagnosticada, é possível adaptar o ensino para que o cérebro do aluno possa aprender de uma forma mais eficaz, ao invés de demorar mais e sofrer via método tradicional.

TDAH e TDA

No Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) ou sem hiperatividade (TDA) o poder de atenção e concentração das crianças, duas habilidades essenciais para a aprendizagem, é atingido. A agitação e a impulsividade, características marcantes dos distúrbios, não estão presentes apenas no ambiente escolar. A hiperatividade é mais frequente nos meninos, enquanto que o sexo feminino tende a ter déficit de atenção, uma característica que é mais notada quando a criança entra na escola. Ambos os transtornos podem estar associados a outros distúrbios de aprendizagem. O tratamento controla os sintomas e, muitas vezes, ele desaparece completamente na fase adulta.

Disgrafia

A disgrafia é um transtorno da psicomotricidade, que afeta a forma como a criança associa a grafia das letras e usa a linguagem escrita para expressar suas ideias. Ou seja, esse distúrbio afeta tanto a caligrafia quanto a coerência, mesmo quando o portador está no tempo de aprendizado adequado e está focado na realização da tarefa. Existem algumas particularidades desse problema, pois, muitas vezes, ele não atinge a cópia de um texto, apenas a escrita espontânea. A soletração oral e a digitação também podem ou não ser afetadas. O problema pode estar associado a outros, como o TDAH, TDA e dislexia.

Acalculia e discalculia

Embora os dois distúrbios estejam relacionados às habilidades matemáticas, a acalculia é um transtorno adquirido por uma lesão cerebral, geralmente originada de um problema de saúde, que afeta a capacidades já consolidadas e desenvolvidas de aritmética. Já a discalculia é um transtorno de desenvolvimento que afeta a aquisição das habilidades matemáticas, e se manifesta de diversas formas. O portador pode ter dificuldade de nomear, ler ou escrever quantidades, números e símbolos, realizar operações mentais e executar cálculos matemáticos. A discalculia também acarreta na demora da resolução dos cálculos, na dificuldade de orientação espacial e em memórias de curto prazo.

Gagueira

A gagueira se trata de uma perturbação da fala de origem psicomotora. Seu principal sintoma são a repetição de sons e sílabas ou a parada involuntária da fala, seja por insegurança, excitações e bloqueios de leitura. O problema pode fazer com que o estudante seja alvo de piadas dos colegas de sala e passe a se isolar, o que pode levar a outras doenças que afetam a sua saúde emocional. Algumas famílias podem apresentar casos frequentes de gagueira, que acomete em maior número os meninos, ainda na infância. Entretanto, com o tratamento adequado, no período de um ano é possível estabelecer a fluência.

Dispraxia

É uma disfunção motora neurológica que impede o cérebro de desempenhar os movimentos corretamente, inclusive os de fala, o que pode impactar na leitura e na oralidade, embora os músculos envolvidos na ação não tenham danos, e na escrita. A criança com dispraxia tem dificuldade para segurar o lápis, posicionar as letras e planejar um desenho, por exemplo. Além disso, os sintomas se manifestam, ainda, com dificuldades de subir e descer escadas, vestir-se sozinho e encontrar o caminho correto, impactando também nas aulas que envolvem atividades físicas. Uma das formas usadas para auxiliar os portadores do distúrbio é o uso de computadores para a escrita, já que a parte cognitiva não é afetada.

Afasia

A afasia é a perda da linguagem causada por lesão no lado esquerdo do cérebro devido a tumores, meningite ou epilepsia, por exemplo. Os quadros de afasia são muito variados e vão desde a dificuldade de articular bem as palavras até a perda total da linguagem oral e da capacidade de reconhecer o significado das palavras. O distúrbio pode se manifestar em maior ou menor grau também na escrita e na leitura. A estimulação personalizada da linguagem permite tratar os portadores, reabilitando suas capacidades.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *